domingo, 10 de abril de 2011

CANÇÃO - Cecília Meireles


Canção

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio...

Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.

Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.


Comentário:

Meu Deus, que poema lindo
que imagens eloquentes
a poeta se faz deusa
seus atos são transcendentes
e o sonho que vai morrendo
vai a nossa alma enchendo
de sentimentos pungentes.

Lágrimas que viram ondas
tentam matar o anseio
e segue o sonho à deriva
no mar que se faz mais cheio
termos comuns, reciclados,
que deixam braços quebrados
no fim de tal devaneio.

(Gilberto Cardoso dos Santos)

4 comentários:

  1. Heheheheh. Nossa!!!!! Ameiiiiiii.

    ResponderExcluir
  2. Mestre Gilberto, parabéns pelo seu blog, forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Cecília nesse poema
    Intitulado canção
    Expressou seus sentimentos
    De dentro do coração
    E você brilhantemente
    Mostrou-se ser competente
    Com a interpretação.

    ResponderExcluir
  4. LINDO LINDO LINDO !!!!
    Fiquei muito comovida com esse poema !
    Parabens pelo seu maravilhoso blog e a qualidade de seu comentario .

    ResponderExcluir