quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

CONSELHO AOS SAUDÁVEIS

  



quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

ESMOLA GRANDE - Gilberto Cardoso dos Santos

 


ESMOLA GRANDE - Gilberto Cardoso dos Santos

 

Era linda! Habilmente talhada nalgum App, talvez. Apareceu do nada, minimamente vestida, e me adicionou no Facebook. 

Era da Inglaterra, mas se achava em Paris. Suas primeiras palavras foram: "Hi, Mr. Santos! E passou a comunicar-se em espanhol. Aqui acolá, uma expressão em francês. Começou a me abordar na janela do Messenger. Graças à ajuda do Google Tradutor, começamos a nos comunicar em espanglês e portunhol. Conversas breves e reticentes de minha parte! Estava relativamente feliz pelo contato, pois vi naquilo (sem pensar naquilo) uma possibilidade de intercâmbio. Imaginei meu livro fazendo sucesso na Inglaterra e na França. Mas uma pulga me incomodava atrás da orelha.

Dois dias depois, um policial abordou-me pelo Messenger. Parecia nervoso. Perguntou se eu conhecia aquela mulher de nome estranho que aparecia em meus contatos. Disse-lhe que não. Indaguei o motivo da pergunta, mas ele nada acrescentou. Deixou-me no vácuo.

Aí foi a vez do evangélico. Veio fazer uma entrega e perguntou se eu conhecia "Beltrana de Tal". Espantei-me com a curiosidade, disse-lhe que não e  que ele era a segunda pessoa que me perguntava aquilo. Então ele contou-me: 

"Eu vi que ela é nossa amiga em comum. Essa mulher me adicionou, começou a puxar conversa pela janelinha. Me mandou uma foto bem sensual e eu caí na besteira de dizer que queria ver ao vivo. Depois, se mostrou na Webcam e pediu que eu abrisse a minha câmera também. Abri, até mesmo pensando em convertê-la pra Jesus. Tinha terminado de chegar da igreja e ainda estava com a roupa do culto. O pastor havia dito que a gente deve aproveitar o tempo nas redes sociais pra evangelizar. Ela pediu que eu abrisse a Bíblia e lesse algo bonito pra ela. Minha Bíblia é daquelas da capa de couro e tem um zíper. Abri e li João 3:16, traduzindo pra o espanhol. Ela achou linda a minha voz e disse que estava "apasionada". Depois, mudando bruscamente de assunto, sugeriu que eu puxasse outro zíper, o da calça. Dizia-se enchanté por mim. Caí na cilada e fiz os gostos da capetinha. Era tentadora demais! A carne é fraca, você sabe como é. Acabei estourando o champanhe. Deu trabalho limpar a tela do notebook. Não vigiei e agora estou hiper lascado, super arrependido!".

"Por quê?", perguntei. "Peça perdão a Deus e passe a ter mais cuidado."

"O problema é que a danada depois disso passou a me pedir grana. 'Money', disse ela. 'I need dinero'. Quando eu disse 'Yo no tengo', ela me ameaçou. Disse que havia gravado tudo que eu fiz, que ia mostrar a minha mulher e divulgar na Internet! Fui conferir, e vi que ela havia adicionado minha esposa também! Ah, bicha safada!"

Vendo-o tão desesperado, fiquei feliz por não ter caído na lábia da gringa. Senti-me um José do Egito, quando vitorioso sobre os assédios da esposa de Potifar. Disse-lhe: "Ainda bem que eu desconfiei desde o começo. Achei a esmola grande. Outro dia vi uma reportagem sobre quadrilhas especializadas nesse tipo de crime. Há muita gente sendo extorquida; pobres vítimas de esquemas bem parecidos com esse daí. Há golpes dessa natureza direcionados também para mulheres.  E agora, o que você pretende fazer?"

"Rapaz, eu não tenho a menor ideia. Estou em tempo de enlouquecer! Nem tenho dormido direito. Se minha  família pelo menos sonhar que eu estou nessa enrascada, estou frito. Já pensou se a irmandade tomar conhecimento disso? Já pensou se uma pessoa que tem o dom da revelação for usada por Deus pra me denunciar diante da esposa num culto? Acho que nem vou ao templo hoje. E o meu emprego, como é que fica? Vou ser posto no olho da rua! E o pior é que eu nem tenho dinheiro pra dar pra ela. Tou devendo a Deus e ao mundo."

"Lamentável, amigo. Não sei nem o que lhe diga. Terrível a sua situação! Aconselho que não conte a ninguém da igreja o que lhe aconteceu para que não aumente o risco de vir a ser revelado."

"Eu quero que você pelo menos ore por mim. Sei que não é mais evangélico, mas em suas orações não se esqueça de mim. Eu estou tão aflito que já pensei em fazer besteira, acredita? Ontem à tarde, bicho, se eu tivesse um revólver cheio de bala, teria descarregado os seis tiros na minha cabeça!"

"Calma, amigo,  é provável que só conseguisse atirar uma vez. Mas tire isso da sua cabeça. Pense positivo, ore, torça pra que ela esteja blefando. Bloqueie esse demônio, suma do Facebook, mude seu e-mail, faça o que estiver ao seu alcance."

"Ok, acho que vou fazer isso mesmo! Depois a gente conversa mais; atrasei-me nas entregas. Valeu!" E saiu às pressas atendendo o celular, visivelmente fora de si.

Assim que ele se foi, fui fazer o que havia recomendado. Desfiz a amizade e bloqueei-a. Vade retro! De lá pra cá, sempre que uma estrangeira me envia solicitação de contato, rejeito sem titubear. Desde então, quando abro o Facebook, não mais a vejo, tampouco ao desesperado irmão que deve ter deletado de vez o seu perfil. Nunca mais o vi.

Ontem sonhei com ela diante de mim, envolta por um camisolão transparente. Piscou o olho maliciosamente e disse: "Hi, Mr. Santos!" No sonho, eu corri e despertei no chão; acordei machucado, mas aliviado.

Quanto a esmola é grande, até o Mr. Santos desconfia.


https://www.facebook.com/gcarsantos

Whatsapp: 84 99901-7248

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

REFLEXÕES DE UM PRÉ-FINADO

 



REFLEXÕES DE UM PRÉ-FINADO 

Hoje amanheci sentindo necessidade de refletir sobre a morte, mas de modo vago e sem muito compromisso com conclusões pois, como disse Fernando, "a única conclusão é morrer". Resolvi  rever o que o Eclesiastes diz a respeito da indesejada. Logo no capítulo 1 (verso 11), encontrei o seguinte: 

"Ninguém se lembra dos seus antepassados. E também aqueles que lhes sucedem não serão lembrados por seus pósteros."

Coloquei à prova a afirmação e não consegui ir além de minha avó materna, a quem não conheci, que tocou fogo em si mesma antes que eu viesse ao mundo. Minha mãe, por sua vez, morreu antes que eu completasse os quatro anos; não teve tempo de repassar-me o  pouco que devia saber. Sou filho bastardo. Venho de famílias pobres, destroçadas e fadadas ao anonimato. 

O que as pessoas sabem sobre seus antepassados, quando o sabem, é em geral bastante vago e dependerá da importância social que estes tiveram.    Os mórmons, por seu interesse em batizar-se pelos que já se foram, tentam inverter essa realidade, mas se fizéssemos uma consulta ampla, veríamos que este versículo representa a realidade de 99 por cento da humanidade. Um amigo escritor disse-me que, não crendo em uma outra vida, esperava imortalizar-se através de seus livros. De fato, deixar uma obra escrita - desde que significativa - é um dos poucos meios de que dispomos para que nosso nome permaneça na posteridade. Confesso-lhes que isso para mim não faz muito sentido, pois estarei morto de qualquer jeito. Se num céu ou num inferno, ter meu nome divulgado em futuras gerações parece-me bem pouco relevante. E se completamente morto, de nada me adiantará.

O fato é que seremos esquecidos e talvez só ocasionalmente lembrados, em dias como o de hoje. Eclesiastes 2:16 nos diz em linguagem atualizada:

"Ninguém lembra para sempre dos sábios, como ninguém lembra dos tolos. No futuro todos nós seremos esquecidos. Todos morreremos, tanto os sábios como os tolos."

O livro de Eclesiastes, dizem alguns, foi escrito por alguém que estava com depressão. Não duvido disso. Parece ter sido escrito por alguém que viveu na abundância e descobriu por experiência própria que o prazer não nos garante a felicidade. A visão pessimista dele ecoa nos versos de Ruben Dario, que disse em "LO FATAL":

   "Feliz é a árvore que é apenas árvore.

E também a pedra porque ela não tem vida,

Pois não existe dor maior do que estar vivo,

Nem maior desespero do que a vida consciente.


Ser e não ter rumo certo.

E o medo de ter sido e um futuro pavor,

E a certeza espantosa de amanhã estar morto


E sofrer pela vida,  pela morte,

Pelo que não sabemos e apenas suspeitamos.

E não saber aonde vamos

Nem de onde viemos...!"

Sempre que medito na mensagem do Eclesiastes e nestes versos, recordo-me do clássico filme Sociedade dos poetas mortos. Em sua primeira aula, o polêmico professor Keating (Robbin Williams) pede que um dos alunos leia a primeira estrofe do poema intitulado PARA AS VIRGENS, QUE APROVEITEM O TEMPO:

Colham botões de rosas enquanto podem,
o velho Tempo continua voando:
E essa mesma flor que hoje lhes sorri,
Amanhã estará expirando.

Depois, explica que o termo latino equivalente a este sentimento é CARPE DIEM, "aproveite o dia", e pergunta que motivo teria levado o autor (Robert Herrick, 1591 - 1674) a escrever aqueles versos. E por fim explica:

"Porque somos pasto para os vermes, rapazes. Acreditem ou não, todos nesta sala um dia vamos deixar de respirar, vamos ficar frios e morrer."

Em seguida, leva-os para um painel de fotografias das turmas antigas e, enquanto lhes direciona o olhar para certos detalhes, diz:

"Não são muito diferentes de vocês, não é? O mesmo corte de cabelo. Cheios de hormônios, como vocês. Invencíveis, como vocês se sentem. O mundo é a ostra deles. Acreditam estar destinados para grandes coisas, como muitos de vocês. Os olhos deles estão cheios de esperanças, como o de vocês. Eles esperaram até ser tarde demais para mostrarem do que eram capazes?  Mas se vocês se aproximarem melhor, nos ouvirão sussurrar o legado deles. Aproximem-se. Escutem. Ouvem? Carpe. Carpe diem. Aproveitem o dia, rapazes. Tornem a vida de vocês extraordinárias." 

Vejo grande semelhança entre este filme e a mensagem de Eclesiastes, ao qual o teólogo e pastor René Kivitz chama de "O Livro Mais mal-Humorado da Bíblia".

O objetivo, porém, deste filme e do livro de Salomão não é nos deixar em um baixo astral profundo, mas nos dar  motivos para sermos felizes dentro das reais possibilidades que a vida nos oferece. O filme e o livro bíblico querem nos alertar contra o perigo de vivermos mecanicamente, mais preocupados com o TER que com o SER. O "Carpe diem", no Eclesiastes aparece em alguns trechos como, por exemplo, no cap 8:5: 

"Portanto aconselho que se desfrute o melhor que a vida pode proporcionar, porquanto debaixo do sol não existe nada mais feliz para o ser humano do que simplesmente: comer, beber e alegrar-se. Essa é a felicidade que nos ajudará a superar os difíceis dias de trabalho durante todo o tempo de vida que Deus nos conceder debaixo do sol!"

Carpe diem (aproveite o dia) não significa trabalhar em excesso, entregar-se ao estresse e sim, usufruir das alegrias disponíveis. Não significa, também, que devamos cair no extremo apontado por Paulo, já presente em sua geração: "Comamos e bebamos que amanhã morreremos.". O eu lírico do Eclesiastes nos diz:

"Então resolvi me divertir e gozar os prazeres da vida. Mas descobri que isso também é ilusão." (Ec. 2:1)

A busca do prazer, ao ultrapassar certos limites, torna-se uma fonte de infelicidade. O Carpe diem, para alguns, infelizmente, se transformou num suicídio a prestações.

Sempre que  penso neste filme temo pela possibilidade de efeitos nocivos. Nem todos o entendem adequadamente. Penso  no fim trágico  de um dos personagens e me pergunto até que ponto essa nova percepção da vida - meio míope, segundo entendo, no caso dele - não foi também responsável por seu suicídio.

O próprio ator que protagonizou tão bem o filme provocou seu próprio fim e a gente se pergunta o quanto da trama que o imortalizou teve influência em sua morte. Talvez nenhuma, claro. 

À semelhança do Eclesiastes, atribuído ao rei Salomão, há um poema que dizem ser da autoria de Walt Whitman, que muitos julgam erroneamente ser o poeta referido no filme Sociedade dos Poetas Mortos. intitulado Carpe Diem e provavelmente apócrifo, o poema diz:

Aproveita o dia!
Não deixes que termine sem teres crescido um pouco.
Sem teres sido feliz, sem teres alimentado teus sonhos.
Não te deixes vencer pelo desalento.
Não permitas que alguém te negue o direito de expressar-te, que é quase um dever.
Não abandones tua ânsia de fazer de tua vida algo extraordinário.
Não deixes de crer que as palavras e as poesias, sim, podem mudar o mundo.
Porque passe o que passar, nossa essência continuará intacta.
Somos seres humanos cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Ela nos derruba, nos lastima, nos ensina, nos converte em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua, tu podes trocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque só nos sonhos pode ser livre o homem.
Não caias no pior dos erros: o silêncio.
A maioria vive num silêncio espantoso. Não te resignes, nem fujas.
Valorize a beleza das coisas simples, se pode fazer poesia bela, sobre as pequenas coisas.
Não atraiçoes tuas crenças.
Todos necessitamos de aceitação, mas não podemos remar contra nós mesmos.
Isso transforma a vida em um inferno.
Desfruta o pânico que provoca ter a vida toda adiante.
Procures vivê-la intensamente sem mediocridades.
Pensa que em ti está o futuro, e encara a tarefa com orgulho e sem medo.
Aprendes com quem pode ensinar-te as experiências daqueles que nos precederam.
Não permitas que a vida se passe sem teres vivido!

O poema difere em muito do estilo do irreverente poeta, tem uma forte pitada de autoajuda e  sucesso garantido entre os internautas. Não deixa de ser interessante por isso. 

Enquanto divagava sobre estas coisas, coloquei Epitáfio, dos Titãs, no loop:

"Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o Sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o Sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier

[...]

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o Sol se pôr."

Sempre que ouço essa música, emociono-me. Lembro das vezes que a cantei com meus alunos. Era meu modo de dizer-lhes "carpe diem". Fico a pensar em quantos viveram ou têm vivido inadequadamente suas vidas, mas me pergunto: Vale a pena sofrer pelo que não tem mais jeito? Haverá, porventura, alguém na face da Terra que tenha existido de modo perfeito? Como seria uma existência realmente ideal? Não encontro respostas, exceto dogmáticas.

Hoje acordei tarde; teria indevidamente desperdiçado a manhã? Me senti tão  bem acordando tarde... após o café, deu-me o desejo de escrever estas coisas, uma crônica, talvez. O dia é propício para que pensemos em nossos queridos que deixaram de existir. Quantas mortes surpreendentes, inesperadíssimas, durante esta pandemia!

Concluo este texto lutando contra a tristeza. Preguiçosamente, ponho um ponto final em minhas ilações, faltando um minuto para o meio-dia. O dia é propício para que bem o aproveitemos, mas como fazê-lo exatamente hoje, com tantas lembranças tristes?

Gilberto Cardoso dos Santos 

Santa Cruz, 02.11.2020.

facebook.com/gcarsantos          email: gcarsantos@gmail.com